Fóruns de relacionamento

Todas as pessoas que eu tenho algum tipo de relação são de outros locais

2020.10.05 05:21 saske2k20 Todas as pessoas que eu tenho algum tipo de relação são de outros locais

No campo das relações amorosas notei que todo mundo que conheço que tenho um papo legal, que poderia ter uma relação mora em outro estado.
Daí fiquei pensando como 80% das amizades que falei nessa quarentena são de pessoas de outros estado ou até país, amigos que fiz em viagens, em fóruns, em cursos online de inglês etc.
Inclusive meu ex relacionamento era com uma pessoa de outro estado que morava no meu, aqui na minha cidade fora os amigos do colégio que já nem tenho mais papo,notei que não tenho uma amizade, ninguém que possa chamar para sair, para um barzinho, ver filme, falar besteira.
Os únicos amigos que são de uma cidade vizinha vieram esses dias mas já vão embora de novo para seus estados ou cidades de origem devido a pandemia.
Pior que nem é como se eu evitasse amizade/relação com o pessoal daqui, mas algo que foi acontecendo ao longo do tempo e hoje conversando com um amigo do sul por exemplo prestei atenção.
Esse pandemia notei como sou solitário em minha cidade.
Deus abençoe Netflix e Amazon Prime.
submitted by saske2k20 to desabafos [link] [comments]


2020.09.29 17:05 Vedovati_Pisos Marketing Digital para Academias: Dicas para conquistar e fidelizar alunos

Com tantas opções de academias, fica realmente difícil se posicionar no mercado e atrair novos clientes. Neste post, trago algumas estratégias de Marketing Digital para conquistar e fidelizar clientes.
Os motivos pelo baixo número de matrículas ou pela desistência são muitos e seria impossível destacá-los um por um. No entanto, as estratégias que cito abaixo abordam as situações mais comuns que ocorrem nas academias.
Levando em consideração o fato que sua academia já possui uma boa estrutura, boa localização e de preferência um estacionamento – aprenda, no parking, no business (sem estacionamento, sem negócios) – vamos falar dos principais pontos a serem implementados para sua academia atrair e reter pessoas, pois nada adianta receber um grande número de matrículas e no outro mês perder metade dos alunos.
Digo boa estrutura, pois é o básico para dar suporte total aos alunos, a boa localização é um requisito importante, mas caso não seja um ponto forte, podemos contornar com uma boa estratégia de localização por meio da Internet, já o estacionamento é um plus que sua academia deve oferecer para facilitar a vida dos alunos.
Seja Encontrado (Conquistar)
Parece óbvio, mas muitos não fazem. Utilizar o Google como fonte de pesquisa é que o várias pessoas interessadas no seu negócio estão fazendo todo dia, toda hora, inclusive agora. São cerca de 16,5 milhões de pesquisas mensais relacionadas à ginástica, fitness, musculação, pilates etc. Se você não está inserido nesse meio, você está perdendo milhares de oportunidades. Então vamos ao que interessa.

Como ser encontrado?
Conteúdo
A Internet é fonte de informação e as pessoas buscam o tempo todo por respostas para suas dúvidas. Imagine quantas buscas existem sobre o tema “emagrecimento”. No site da sua academia, crie uma área para inserir conteúdo. Esta área funcionará como um blog, onde semanalmente ou diariamente, você irá fornecer informações relacionadas ao seu negócio. Aqui não há propaganda, não há venda, apenas informação.
Seu possível cliente quer informações e, quanto mais você der, maiores são as chances dele aderir ao seu negócio. O cliente precisa se sentir seguro da compra, por isso ele busca informações. Vamos a um exemplo. Uma pessoa está buscando um local para praticar exercícios físicos, então ela que saber qual o melhor esporte para ela, quantas horas ela deve praticar, entre outras questões. Neste momento ela não está buscando preços, nem equipamentos, ela quer informação. No momento que ela se sentir segura, ela vai até a academia e faz a matrícula. Não espere mais para ativar seu site e seja encontrado quando procurarem pelo seu negócio.
Tráfego
Compre tráfego. Indo direto ao assunto, esse é um ponto fundamental para ser encontrado pelo seu público. Procure por publicidade paga como Google Adwords e Facebook Ads, procure sites relacionados e compre espaço publicitário. Existem diversos sites que vendem tráfego, seja ele segmentado ou não. O tráfego segmentado é mais caro, mas acaba saindo um pouco mais caro.
Minha dica é, se sua academia já tem uma marca conhecida, vale a pena focar no tráfego segmentado (blogs e fóruns fitness), caso esteja dando os primeiros passos, tráfego indiferente (sites de download, de música, de filmes) pode ser uma boa opção. O Google Meu Negócio também é uma excelente ferramenta para ser encontrado e é gratuito. Lembra do ponto “localização” que falei no começo do artigo? O Google Meu Negócio vai te ajudar e muito.
Seja Diferente (Conquistar)
Primeira coisa, não se diferencie da concorrência pelo preço. Você deve ter muito mais a oferecer do que uma “pechincha”, o que pode até causar uma má impressão do seu negócio. Segundo, tenha um diferencial que seja realmente relevante para o seu público. De nada adianta super equipamentos, se não existem instrutores capacitados para guiar seus alunos. Tenha um diferencial claro e passe isso na hora de divulgar sua academia.
Tenha um Site Vendedor (Conquistar)
Agora que você já tem tráfego e possui um diferencial claro, vamos converter seus visitantes em clientes. Para aprofundar sobre o assunto Conversão é necessário um post completo que será produzido mais adiante, mas adianto pontos necessários para transformar seu site em um site vendedor.
Deixe clara a sua mensagem
Apesar do conteúdo que falamos anteriormente não citar preços e planos, seu site precisa deixar claro que por trás de toda a informação, existe uma empresa e que você vende algo, caso contrário o visitante sentirá enganado no momento que você tentar oferecer seu serviço.
Facilite o contato
Quem nunca entrou em um site e ficou perdido buscando telefone ou e-mail para contato? Por incrível que pareça, este é um erro comum do mundo digital. Para facilitar o contato do seu possível cliente, deixe fácil um telefone para contato ou um formulário de contato. Nada de formulário gigantes com nome, endereço, cpf, nada disso. Seja o mais simples possível no momento de colher os dados. Apenas o e-mail é essencial.
Guie seu visitante
Leve seu visitante até a parte principal do seu site, a área dos planos. A navegação deve ser fácil e seu site deve sempre levar o usuário à parte que mais lhe interessa. Quando o usuário entra no seu site ele quer saber de cara seu preço, para depois ver se compensa. Daí você tem 2 opções, mostrar o preço logo de início, fazendo o cliente optar se deve continuar ou não ou mostrar todas as vantagens do seu negócio através de um conteúdo detalhado e no final apresentar o preço ou até mesmo criar um vídeo, onde no final você vai apresentar seus planos. As duas formas são válidas e vão depender da forma que deseja trabalhar.
Crie um relacionamento (Fidelizar)
Outro ponto que parece óbvio, mas poucos fazem. Criar relacionamentos é difícil, muitas vezes por questões culturais do empreendedor. Vamos aos fatos, cliente entra na academia, você cria um bom relacionamento com ele, resultado: cliente satisfeito e fidelizado. Parece simples e realmente é, o problema é que poucos fazem. Por um lado isso é bom, pois agora você tem uma vantagem competitiva.
E como fazer para criar relacionamentos com seus clientes utilizando estratégias de marketing digital? A dica de ouro é: E-mail Marketing.
E-mail não está ultrapassado e sabendo fazer não será considerado Spam. Então, como fazer?
1 - Crie uma lista– No momento do cadastro peça o e-mail do aluno e faça uma planilha com todos matriculados
2 - Peça autorização para enviar e-mails– É aqui que você vai ter autorização ou não dos seus alunos para enviar conteúdo.
3 - Envie conteúdo interessante– Nada de enviar promoções e “panfletos digitais”. Isso é chato e pode ser visto como Spam. Escreva algo que realmente seja importante para o seu cliente. Dê dicas de alimentação, métodos de treino, melhores suplementos e mais uma infinidade de assuntos. Mas lembre, tenha bom senso e não envie e-mail diariamente. Um e-mail a cada 4 dias é o suficiente para manter seu aluno bem informado e satisfeito.
4 - Pergunte– Relacionamentos são diálogos e não monólogos, por isso peça a opinião e escute seus clientes. Envie e-mails com questionários curtos sobre melhorias na academia ou alguma pesquisa que esteja querendo fazer.
5 - Escute (Fidelizar)
Puxando o gancho no ponto anterior, escutar seus clientes é um fator importantíssimo para saber se você está fazendo certo ou errado. Já ouvi relatos de alunas que saíram da academia porque eram assediadas pelo professor. Pesado, mas acontece. A melhor maneira de descobrir isso é criando um formulário no seu site para reclamações e sugestões.
Você também pode implantar uma caixa de sugestões na sua academia, mas muitos veem como perda de tempo, pois acham que ninguém vai ler, por isso é seu dever deixar bem claro que faz parte dos valores da sua empresa levar a sério a opinião dos clientes.
Personalize (Fidelizar)
Esta dica é matadora e é aqui que iremos oferecer ao cliente exatamente o que ele necessita. Existem pessoas que frequentam a academia durante anos e nunca receberam um atendimento diferenciado e, por conta disso, recorrem a outra academia.
Mas na sua academia será diferente. Você DEVE tratar seus clientes de forma diferenciada, pois cada um tem um objetivo diferente. Existem várias formas de personalizar seu serviço, mas essa parte criativa vou deixar com você, vamos citar alguns pontos que você deve seguir.
• Cliente VIP– Todo mundo gosta de ser tratado de forma VIP, por isso crie um cadastro VIP para seus clientes especiais, aqueles que trazem mais retorno para o seu negócio. Os clientes VIP terão vantagens extras, como treinamento personalizado, dicas exclusivas, entre outros benefícios.
• Programa de Fidelidade– O programa deve ser muito mais do que um programa de descontos. Deve oferecer benefícios reais e que sejam de interesse do aluno.
Falamos aqui sobre alguns pontos cruciais para se ter sucesso no seu negócio e aumentar os lucros da sua academia. São coisas fáceis de serem implementadas e podem começar logo que você terminar de ler este artigo.

https://www.vedovatipisos.com.bnoticias-artigos/marketing-digital-para-academias/
submitted by Vedovati_Pisos to u/Vedovati_Pisos [link] [comments]


2020.09.28 10:24 UninformedImmigrant U wot m8? Estórias de um gajo que se mudou para o UK [Capítulo 2: Que se lixe isto, vou comprar um carro]

Olá amigos. Hoje vamos falar de carros, um assunto que me é muito querido.

Take-Aways Principais

Driving is love, driving is life

Quando tinha 14 anos os meus pais deram-me uma motinha de 50cc velhinha. Tinha dezenas de milhares de quilómetros, estava a precisar de algum trabalho, gastava muita (MUITA) gasolina, mas era minha. A partir desse dia tornei-me independente: tinha a possibilidade de ir onde quisesse, quando quisesse. Toda a cidade passou a estar acessível no espaço de minutos e não horas, e as aldeias envolventes em "meias horas" e não horas. Deixei de ter que pedir para que me levassem aos sítios, passei a ir quando queria ou precisava. Com algum dinheiro da mesada podia ir saindo com os amigos e começando a ter uma vida mais "adulta". Pouco tempo depois, ainda por volta dos 14, aprendi a conduzir carros também (em estradas privadas, claro).
O valor desta transição é absolutamente imensurável no desenvolvimento de um miúdo. Passa a haver responsabilidade. Quando tinha acidentes, o que acontece de certeza, a culpa era minha e havia consequências. O corpo doía, a mota aparecia riscada e a precisar de reparações, e o que não conseguisse fazer eu tinha que encontrar forma de pagar. Os vizinhos queixavam-se do barulho. Quando chovia chovia-me em cima, e quando fazia frio de manhã a mota não queria pegar. Mas! Quando queria ir ao Continente comprar doces podia ir, quando queria ir visitar o meu pai não tinha que pedir boleia a ninguém, e por aí fora.
A experiência de começar a conduzir muito cedo, particularmente no ambiente "controlado" de uma cidade pequena, serve também para desenvolver algum instinto (à falta de melhor expressão) para a condução, nomeadamente para as duas partes fundamentais que as constituem:
Eu não sei como tem sido ultimamente, mas o processo de obter a licença dos 14 anos há quase 20 anos atrás era ridiculamente simples. Eu sinto que isso não é necessariamente mau, pois reduz a barreira de entrada à condução numa altura em que ainda é possível ganhar aquele "jeito" para a condução sem se tornar uma coisa estrangeira e forçada. Tudo somado, foi facilmente uma das experiências que mais serviram para me fazer crescer naquela altura, e algo que pretendo certamente incutir em infelizes filhos que alguma vez venha a ter.
Quando fiz 18 anos deram-me um carro (muito) velhinho para as minhas voltinhas em Coimbra, para onde iria estudar. Mais uma vez, é um privilégio: era muito velhinho, o seguro era baratinho e o imposto também, mas mesmo assim nem toda a gente conseguia ter o seu próprio carro. Por ter carro nunca precisei de usar os autocarros muito regularmente, o que me permitiu poupar noutras coisas: podia fazer as minhas próprias mudanças quando mudava de casa, podia participar em actividades extra-aulas com mais facilidade, etc etc. Fui quase sempre designated driver, mas sempre foi uma responsabilidade que aceitei com muito gosto: é bom de ter a oportunidade de levar os meus amigos a casa em segurança no fim de uma noite de castanhada. Se eu próprio quisesse participar na castanhada, a Maria normalmente voluntariava-se para trazer o carro para casa.
Ter um carro velho, sem modernices como sensores (ahah), GPS, rádio (exacto), direcção assistida ou ABS, permitiu-me fazer certas coisas. Com a liberdade de experimentar, pude tentar fazer várias reparações eu próprio; notavelmente, o disco de embraiagem que neste momento está nesse carro, que ainda anda, fui eu que o coloquei lá. Pude também fazer uso de alguns baldios que há em Coimbra e arredores para aprender a controlar o carro em situações mais extremas; uma espécie de curso de condução em condições adversas do homem pobre. O que é que acontece se tiver que fazer uma travagem de emergência em piso escorregadio? Como compensar a falta de ABS caso as rodas tranquem? E se a traseira deslizar?
Conduzir, para mim, não é um privilégio nem uma mania nem um capricho. É uma das pedras basilares da forma como lido com o dia-a-dia, uma forma inalienável de independência. O transporte pessoal é uma extensão do meu corpo e conduzir é um escape muito, muito importante.

Viver no campo sem carro

Durante os primeiros 6 meses que passei no UK tive que viver sem transporte próprio; apenas conduzi carros alugados por curtos períodos para ver casas ou fazer mudanças. Usei esses meses para me ambientar, deixar passar o primeiro inverno, estabelecer-me no trabalho e tratar de todas aquelas burocracias que discutimos no capítulo anterior. Aguentei todo esse tempo graças ao facto de a empresa para quem trabalho oferecer um serviço de shuttles para funcionários, que liga o campus às cidades e vilas mais próximas, numa das quais eu vivo. Isto permitiu-me não me preocupar com transportes para o trabalho durante meses, o que foi uma benesse incrível.
Estes primeiros meses foram de adaptação, de exploração e de cometer erros parvos. De aprender a perceber os Ingleses, como se comportam nas coisas mais básicas, e de me tentar misturar com eles com sucesso. Eu optei por viver no campo (i.e. significativamente fora das cidades grandes aqui à volta) por várias razões:
Tirando as viagens casa-trabalho-casa, a minha mobilidade estava muito reduzida. Ir a qualquer lado envolvia caminhar uma distância suficientemente grande para me chatear, no mínimo até à estação dos comboios e depois outro tanto onde quer que fosse. Ir às compras era um pau no cu porque tinha que as arrastar pelo monte acima até casa, pelo menos até descobrir que os supermercados entregam em casa por um preço muito muito razoável.
E depois há a rede de transportes. Eu adoro andar de comboio, mas infelizmente aqui é impossível. Nós somos dois, e ir à cidade mais próxima custa-me, pelo menos, umas 20 libras em bilhetes de comboio. Para comparação, demoro uns 25min a chegar lá de carro (mais ou menos o mesmo) e gasto talvez 2 ou 3 libras de combustível. Já para não falar no congestionamento a certas horas, em que não só os bilhetes são estupidamente mais caros, como temos que fazer a viagem toda em pé. Viagens grandes então nem se fala! Eu quero ir à Escócia ver se encontro a Nessie, e a viagem de comboio para 2 pessoas, ida e volta, ia-me custar facilmente 1000£!! Os comboios em si são espectaculares; fazem os nossos velhinhos Intercidades parecer ainda mais velhos e merdosos do que são mesmo.
Aos autocarros aplicam-se comentários semelhantes, com algumas agravantes. Não só são caros como tendem a não andar a horas, são populados com as pessoas mais nojentas que se consiga imaginar, e devem ser limpos à saída da fábrica e nunca mais.
Se calhar sou eu que sou maniento, se calhar acham que sou um snob mal habituado que anda de cu tremido desde cachopo, se calhar acham que devia era viver uns anos sem carro para ver o que é bom. Eu cá acho que paguei as minhas favas e agora mereço andar de carro até me doerem os joellhos. Eu antes quero poder ter carro e viver deslocado da cidade, do que viver no centro e andar no meio do magote enfiado em autocarros bolorentos e metros a cheirar a mijo. São escolhas. Não vejo grande apelo na "vida cultural" da cidade, da qual até posso desfrutar pegando no carrito e indo lá ver o que é o quê.

Comprar um carro

Um dia destes, com a conta do banco recheada de dinheiro de devolução de impostos, decidi que estava na hora de comprar um carro. Andei a ver carros novos e usados, e decidi que o hot hatch era para mim. Algo na vizinhança das 20000 libras, 10 pagas à entrada e outras 10 pagas em prestações durante uns 3 anos. Parecia-me razoável, estava bem dentro dos limites do que podia pagar e não me impedia de ir chegando aos meus objectivos de poupança.
Marquei um test drive e apanhei um comboio até ao stand. Chegado lá, aproveitei para fazer todas as perguntas e mais alguma ao vendedor, entre as quais como funcionaria o financiamento. Aí ele entregou as más notícias: com menos de 3 anos de residência, é virtualmente impossível conseguir financiamento para um carro, muito menos naqueles valores. Chateei-me, chamei um taxi e fui-me embora sem muito mais conversa. Fiquei fodido. Ainda verifiquei junto do meu banco com esperança da que eles, sabendo quanto ganho, etc, fizessem um jeitinho. Os valores a que me podia candidatar era muito mais baixos do que alguma vez funcionariam, por isso desisti do financiamento. Pela primeira vez na minha vida, ia comprar um carro a pronto.
Passei umas semanas a estudar melhor o mercado de usados. Andei a ver no autotrader [1], aparentemente o site mais popular de anúncios de carros. A primeira coisa em que reparei foi o quão mais baratos os carros são aqui que em Portugal. Eu sempre achei os carros usados caríssimos em Portugal, mas isto trouxe à luz o quão roubado o tuga médio é quando compra um carro. Para terem uma ideia, um familiar meu tinha comprado um carro por 5000€ (valor ajustado ao mercado) pouco antes de me mudar para cá. O mesmo carro, mesmo ano, mesmo trim level, com menos quilómetros, aqui custava 750£. Telefonei-lhe a gozar com ele, foi incrível.
Então decidi que o meu orçamento seria os tais 10k que pretendia originalmente dar como entrada. Deixei de parte a ideia do hot hatch para poder comprar algo mais recente, pois queria um carro com 2 ou 3 anos no máximo. Este limite não era tanto por cagança, mas porque queria apostar mais na fiabilidade do que noutros aspectos. Um carro mais novo, com menos quilómetros, tem uma probabilidade menor de me dar problemas no início, o que me compra tempo para conhecer o panorama de oficinas aqui à volta, o que esperar do seguro, etc. Pequeno, novo, simples, fiável; fui à caça
Há um conjunto de coisas a ter em atenção quando se procurar um carro usado:
Curiosamente, acabei por comprar o meu carro no mesmo stand onde fui antes, ao mesmo vendedor que me tinha entregue a triste notícia sobre o financiamento. Ele ficou impressionado por me ver de volta, mas a vida tem dessas coisas. Apenas fiz um test drive, e comprei imediatamente o carro. Pode parecer precipitado, mas:
bom negócio. Um bocadinho acima do valor de mercado segudo o autotrader, mas nada de muito preocupante.
Ficou marcado ir levantar o carro dali a 2 dias, e entretanto teria de tratar do seguro. Eu já tinha feito algumas simulações de seguros, portanto sabia o que esperar, mas mesmo assim achei caro: quase 1000£ ano para o seguro de um carro pequeno. Entretanto tenho explorado melhor o assunto, e parece que o mercado de seguros no UK sofre de graves problemas:
Para tornar o sistema verdadeiramente insultuoso, há seguradoras que oferecem potenciais descontos se instalarmos no carro um tracker da sua eleição [4]. Ou seja: cobram o que quiserem e ainda querem saber onde ando e a que velocidade ando, e se eu conduzir "bem" segundo lá os critérios deles, fazem-me um desconto; se não gostarem da minha condução sobem-me o preço. Naturalmente, mandei-os passear e paguei mais por um seguro sem tracker. Honestamente, acho a mera proposta de me deixar espiar por um potencial desconto no seguro nojenta: é o reflexo de um sistema profundamente partido. Ninguém diz a um português o que é conduzir "bem", caralho.
O seguro do carro trata-se todo online, o que para mim é muito estranho, e até se pode verificar online se o carro tem seguro [5]. Os comparadores de preços [6] são nosso amigos, mas cuidado com eles por vezes; já li casos de pessoas que tiveram apólices canceladas por tentarem muitas comparações com detalhes ligeiramente diferentes (infelizmente não encontrei uma ref para esta, mas penso que foi no /LegalAdviceUK). Correndo o risco de me repetir, o sistema de seguros auto aqui está profundamente desregulado e a precisar de alguém com tomates para o resolver. Certamente não será o BoJo.
No dia em que levantei o carro:
Dias depois recebi o novo V5C em meu nome. O V5C é uma espécie de livrete, ou "documento único" se formos modernos, mas ao contrário do livrete nunca deve andar no carro pois é muito fácil transferir o V5C para outro nome sem intervenção do dono anterior. Mais curiosamente ainda, o V5C não prova propriedade do carro, apenas quem é o "registered keeper" dele. Por outras palavras, a minha única forma de demonstrar que sou dono do carro é a factura que me deram quando o comprei. Neat.
Sentei-me no carrito, carreguei no botão para arrancar o motor pensando "que modernice", e ele lá acordou. Curiosamente, só nesta altura é que me ocorreu: se calhar não era uma má ideia ir ler sobre as regras da estrada aqui. Sorte a minha, o governo tem a totalidade do Highway Code [8] disponível no site, e tenho-o lido aos bocadinhos. Mais sobre isso no próximo capítulo.
Curiosamente, não é preciso termos connosco nenhuma documentação quando conduzimos [9]. Os Ingleses têm uma abordagem diferente da nossa no que toca à documentação; é tudo guardado em bases de dados do governo, e eles só precisam de verificar a matrícula contra a base de dados para saber se está tudo bem. O condutor apenas precisa de ter a carta de condução, e alguma identificação por conveniência. Eu pessoalmente costumo ter o cartão de cidadão e a carta de condução. Idealmente teria o passaporte, mas evito andar com o passaporte no bolso, e o cartão de cidadão deve ser mais do que suficiente como identificação até no mundo pós-brexit. Na realidade penso que a carta de condução por si chegaria, mas mais vale estar seguro né?
Virei proprietário do meu próprio veículo! Mais um, porque nunca vendi o bolinhas que está em Portugal.

Conclusão

Tenho que confessar que estou impressionado pela positiva com a experiência que foi comprar um carro no UK. O processo foi muito mais simples do que esperava, e praticamente tudo se tratou no stand na hora da compra. Até o seguro podia ter ficado logo resolvido, mas eu preferi fazer em casa com mais algum controlo sobre isso. Nota-se que é um sistema muito mais polido que em Portugal, pelo menos na minha experiência.
A minha relação próxima com a condução começa a entrar, infelizmente, em rota de colisão com o status quo: vivemos num mundo que cada vez menos suporta o transporte individual. Há gente a mais no mundo, e há carros a mais no mundo, há fumo a mais no mundo. Na realidade, há "a mais no mundo" de quase tudo o que é mau, pessoas incluídas. Sinto que esta minha necessidade de conduzir vai brevemente bater de frente contra a necessidade global de cortar no transporte individual a favor de transportes colectivos. Até lá, vou aproveitar as espectaculares estradas de campo aqui à volta, particularmente a horas em que não estejam completamente congestionadas. Fiquem de olho, o próximo capítulo vai falar sobre a experiência que é conduzir no UK, e como é que difere do que eu esperava.
Desta feita apontei para um post mais curto que o anterior, que essencialmente parte este assunto em dois: este primeiro cobre o processo de como (e porquê) comprei o carro, e o seguinte vai cobrir a experiência de conduzir em si. Notei que o engagement no capítulo 1 foi menor que nos posts anteriores, e suspeito que ler uma epopeia tão longa não ajuda; digam-me nos comments se tenho razão.
Abraços, e obrigado por virem à minha TED talk.

Referências

Capítulos Anteriores

submitted by UninformedImmigrant to portugal [link] [comments]


2020.07.30 04:19 Alucard181 Me apaixonar pela minha melhor amiga foi o pior erro que cometi.

Estou me arriscando bastante ao postar isso aqui pois há uma grande chance dela ler esse post e descobrir quem foi que escreveu (pelo vocabulário dela eu percebo que ela frequenta fóruns na internet e se ela ver meu nick aqui, ela descobrirá que foi eu)
Vai ser um pouco difícil para eu escrever essa história e expôr publicamente, por mais que anonimamente, mas sinto que preciso tirar isso do meu peito...
Nos conhecemos pela internet nos tornamos ótimos amigos, conversavamos todos os dias sobre diversos assuntos, jogavamos minecraft juntos, enfim... Ela é uma pessoa maravilhosa, sempre me ajudou, sempre se preocupou comigo - se eu estava bem, sempre me apoiou e me incentivou a fazer as coisas que eu gosto - eu me sentia muito bem quando estava com ela, tudo parecia flores...

Foi aí que eu percebi que estava apaixonado por ela, tentei suprimir ao máximo, pois eu sabia que ela gostava de outro rapaz. Mas me mantive otimista, já havíamos conversado sobre relacionamentos, namoro, etc. e ela disse que namoraria comigo e eu retribuí dizendo que ela era uma pessoa incrível e que adoraria namorar com ela; mas a conversa não passou disso. E então eu recebi a notícia que ela estava namorando, e isso simplesmente me destruiu, eu não consegui mais manter a amizade, constantemente ela vem me dizer que sente minha falta e isso corta meu coração. Eu também sinto a falta dela, penso nela todos os dias e quero estar com ela a todo momento...

Me sinto perdido, por não saber o que fazer, se devo ter esperanças que um dia vamos ficar juntos, se devo e como esquecer ela e superar; Me sinto um trouxa por me apaixonar por uma pessoa que mora tão longe; Me sinto triste por ter perdido minha amiga, me sinto só, tenho poucos amigos e ninguém era tão especial como ela. Me apaixonei pela minha melhor amiga e isso custou toda a minha sanidade mental.

Obrigado por ler até aqui, deixe um comentário ou só um upvote que eu já estarei feliz. Tudo de bom a você.
EDIT: Nossa, quando eu postei esse texto, eu imaginava que não iria receber sequer o mínimo de atenção, principalmente sendo meu primeiríssimo post aqui no Reddit. Muito obrigado a todos que usaram o tempo livre de seu dia para comentar aqui; um abraço.
submitted by Alucard181 to desabafos [link] [comments]


2020.07.23 10:09 diplohora Mes estudos para o CACD - Bruno Pereira Rezende

Livro do diplomata Bruno Pereira Rezende
INTRODUÇÃO
📷📷Desde quando comecei os estudos para o Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD), li dezenas de recomendações de leituras, de guias de estudos extraoficiais, de dicas sobre o concurso, sobre cursinhos preparatórios etc. Sem dúvida, ter acesso a tantas informações úteis, vindas de diversas fontes, foi fundamental para que eu pudesse fazer algumas escolhas certas em minha preparação, depois de algumas vacilações iniciais. Mesmo assim, além de a maioria das informações ter sido conseguida de maneira dispersa, muitos foram os erros que acho que eu poderia haver evitado. Por isso, achei que poderia ser útil reunir essas informações que coletei, adicionando um pouco de minha experiência com os estudos preparatórios para o CACD neste documento.
Além disso, muitas pessoas, entre conhecidos e desconhecidos, já vieram me pedir sugestões de leituras, de métodos de estudo, de cursinhos preparatórios etc., e percebi que, ainda que sempre houvesse alguma diferenciação entre as respostas, eu acabava repetindo muitas coisas. É justamente isso o que me motivou a escrever este documento – que, por não ser (nem pretender ser) um guia, um manual ou qualquer coisa do tipo, não sei bem como chamá-lo, então fica como “documento” mesmo, um relato de minhas experiências de estudos para o CACD. Espero que possa ajudar os interessados a encontrar, ao menos, uma luz inicial para que não fiquem tão perdidos nos estudos e na preparação para o concurso.
Não custa lembrar que este documento representa, obviamente, apenas a opinião pessoal do autor, sem qualquer vínculo com o Ministério das Relações Exteriores, com o Instituto Rio Branco ou com o governo brasileiro. Como já disse, também não pretendo que seja uma espécie de guia infalível para passar no concurso. Além disso, o concurso tem sofrido modificações frequentes nos últimos anos, então pode ser que algumas coisas do que você lerá a seguir fiquem ultrapassadas daqui a um ou dois concursos. De todo modo, algumas coisas são básicas e podem ser aplicadas a qualquer situação de prova que vier a aparecer no CACD, e é necessário ter o discernimento necessário para aplicar algumas coisas do que falarei aqui a determinados contextos. Caso você tenha dúvidas, sugestões ou críticas, fique à vontade e envie-as para [[email protected] ](mailto:[email protected])(se, por acaso, você tiver outro email meu, prefiro que envie para este, pois, assim, recebo tudo mais organizado em meu Gmail). Se tiver comentários ou correções acerca deste material, peço, por favor, que também envie para esse email, para que eu possa incluir tais sugestões em futura revisão do documento.
Além desta breve introdução e de uma também brevíssima conclusão, este documento tem quatro partes. Na primeira, trato, rapidamente, da carreira de Diplomata: o que faz, quanto ganha, como vai para o exterior etc. É mais uma descrição bem ampla e rápida, apenas para situar quem, porventura, estiver um pouco mais perdido. Se não estiver interessado, pode pular para as partes seguintes, se qualquer prejuízo para seu bom entendimento. Na segunda parte, trato do concurso: como funciona, quais são os pré-requisitos para ser diplomata, quais são as fases do concurso etc. Mais uma vez, se não interessar, pule direto para a parte seguinte. Na parte três, falo sobre a preparação para o concurso (antes e durante), com indicações de cursinhos, de professores particulares etc. Por fim, na quarta parte, enumero algumas sugestões de leituras (tanto próprias quanto coletadas de diversas fontes), com as devidas considerações pessoais sobre cada uma. Antes de tudo, antecipo que não pretendo exaurir toda a bibliografia necessária para a aprovação, afinal, a cada ano, o concurso cobra alguns temas específicos. O que fiz foi uma lista de obras que auxiliaram em minha preparação (e, além disso, também enumerei muitas sugestões que recebi, mas não tive tempo ou vontade de ler – o que também significa que, por mais interessante que seja, você não terá tempo de ler tudo o que lhe recomendam por aí, o que torna necessário é necessário fazer algumas escolhas; minha intenção é auxiliá-lo nesse sentido, na medida do possível).
Este documento é de uso público e livre, com reprodução parcial ou integral autorizada, desde que citada a fonte. Sem mais, passemos ao que interessa.
Parte I – A Carreira de Diplomata
INTRODUÇÃO
Em primeiro lugar, rápida apresentação sobre mim. Meu nome é Bruno Rezende, tenho 22 anos e fui aprovado no Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD) de 2011. Sou graduado em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília (turma LXII, 2007-20110), e não tinha certeza de que queria diplomacia até o meio da universidade. Não sei dizer o que me fez escolher a diplomacia, não era um sonho de infância ou coisa do tipo, e não tenho familiares na carreira. Acho que me interessei por um conjunto de aspectos da carreira. Comecei a preparar-me para o CACD em meados de 2010, assunto tratado na Parte III, sobre a preparação para o concurso.
Para maiores informações sobre o Ministério das Relações Exteriores (MRE), sobre o Instituto Rio Branco (IRBr), sobre a vida de diplomata etc., você pode acessar os endereços:
- Página do MRE: http://www.itamaraty.gov.b
- Página do IRBr: http://www.institutoriobranco.mre.gov.bpt-b
- Canal do MRE no YouTube: http://www.youtube.com/mrebrasil/
- Blog “Jovens Diplomatas”: http://jovensdiplomatas.wordpress.com/
- Comunidade “Coisas da Diplomacia” no Orkut (como o Orkut está ultrapassado, procurei reunir todas as informações úteis sobre o concurso que encontrei por lá neste documento, para que vocês não tenham de entrar lá, para procurar essas informações):
http://www.orkut.com.bMain#Community?cmm=40073
- Comunidade “Instituto Rio Branco” no Facebook: http://www.facebook.com/groups/institutoriobranco/
Com certeza, há vários outros blogs (tanto sobre a carreira quanto sobre a vida de diplomata), mas não conheço muitos. Se tiver sugestões, favor enviá-las para [[email protected].](mailto:[email protected])
Além disso, na obra O Instituto Rio Branco e a Diplomacia Brasileira: um estudo de carreira e socialização (Ed. FGV, 2007), a autora Cristina Patriota de Moura relata aspectos importantes da vida diplomática daqueles que ingressam na carreira. Há muitas informações desatualizadas (principalmente com relação ao concurso), mas há algumas coisas interessantes sobre a carreira, e o livro é bem curto.
A DIPLOMACIA E O TRABALHO DO DIPLOMATA
Com a intensificação das relações internacionais contemporâneas e com as mudanças em curso no contexto internacional, a demanda de aprimoramento da cooperação entre povos e países tem conferido destaque à atuação da diplomacia. Como o senso comum pode indicar corretamente, o
diplomata é o funcionário público que lida com o auxílio à Presidência da República na formulação da política externa brasileira, com a condução das relações da República Federativa do Brasil com os demais países, com a representação brasileira nos fóruns e nas organizações internacionais de que o país faz parte e com o apoio aos cidadãos brasileiros residentes ou em trânsito no exterior. Isso todo mundo que quer fazer o concurso já sabe (assim espero).
Acho que existem certos mitos acerca da profissão de diplomata. Muitos acham que não irão mais pagar multa de trânsito, que não poderão ser presos, que nunca mais pegarão fila em aeroporto etc. Em primeiro lugar, não custa lembrar que as imunidades a que se referem as Convenções de Viena sobre Relações Diplomáticas e sobre Relações Consulares só se aplicam aos diplomatas no exterior (e nos países em que estão acreditados). No Brasil, os diplomatas são cidadãos como quaisquer outros. Além disso, imunidade não é sinônimo de impunidade, então não ache que as imunidades são as maiores vantagens da vida de um diplomata. O propósito das imunidades é apenas o de tornar possível o trabalho do diplomata no exterior, sem empecilhos mínimos que poderiam obstar o bom exercício da profissão. Isso não impede que diplomatas sejam revistados em aeroportos, precisem de vistos, possam ser julgados, no Brasil, por crimes cometidos no exterior etc.
Muitos também pensam que irão rodar o mundo em primeira classe, hospedar-se em palácios suntuosos, passear de iate de luxo no Mediterrâneo e comer caviar na cerimônia de casamento do príncipe do Reino Unido. Outros ainda acham que ficarão ricos, investirão todo o dinheiro que ganharem na Bovespa e, com três anos de carreira, já estarão próximos do segundo milhão. Se você quer ter tudo isso, você está no concurso errado, você precisa de um concurso não para diplomata, mas para marajá. Obviamente, não tenho experiência suficiente na carreira para dizer qualquer coisa, digo apenas o que já li e ouvi de diversos comentários por aí. É fato que há carreiras públicas com salários mais altos. Logo, se você tiver o sonho de ficar rico com o salário de servidor público, elas podem vir a ser mais úteis nesse sentido. Há não muito tempo, em 2006, a remuneração inicial do Terceiro-Secretário (cargo inicial da carreira de diplomata), no Brasil, era de R$ 4.615,53. Considerando que o custo de vida em Brasília é bastante alto, não dava para viver de maneira tão abastada, como alguns parecem pretender. É necessário, entretanto, notar que houve uma evolução significativa no aspecto salarial, nos últimos cinco anos (veja a seç~o seguinte, “Carreira e Salrios). De todo modo, já vi vários diplomatas com muitos anos de carreira dizerem: “se quiser ficar rico, procure outra profissão”. O salário atual ajuda, mas não deve ser sua única motivação.
H um texto ótimo disponível na internet: “O que é ser diplomata”, de César Bonamigo, que reproduzo a seguir.
O Curso Rio Branco, que frequentei em sua primeira edição, em 1998, pediu-me para escrever sobre o que é ser diplomata. Tarefa difícil, pois a mesma pergunta feita a diferentes diplomatas resultaria, seguramente, em respostas diferentes, umas mais glamourosas, outras menos, umas ressaltando as vantagens, outras as desvantagens, e não seria diferente se a pergunta tratasse de outra carreira qualquer. Em vez de falar de minhas impressões pessoais, portanto, tentarei, na medida do possível, reunir observações tidas como “senso comum” entre diplomatas da minha geraç~o.
Considero muito importante que o candidato ao Instituto Rio Branco se informe sobre a realidade da carreira diplomática, suas vantagens e desvantagens, e que dose suas expectativas de acordo. Uma expectativa bem dosada não gera desencanto nem frustração. A carreira oferece um pacote de coisas boas (como a oportunidade de conhecer o mundo, de atuar na área política e econômica, de conhecer gente interessante etc.) e outras não tão boas (uma certa dose de burocracia, de hierarquia e dificuldades no equacionamento da vida familiar). Cabe ao candidato inferir se esse pacote poderá ou não fazê-lo feliz.
O PAPEL DO DIPLOMATA
Para se compreender o papel do diplomata, vale recordar, inicialmente, que as grandes diretrizes da política externa são dadas pelo Presidente da República, eleito diretamente pelo voto popular, e pelo Ministro das Relações Exteriores, por ele designado. Os diplomatas são agentes políticos do Governo, encarregados da implementação dessa política externa. São também servidores públicos, cuja função, como diz o nome, é servir, tendo em conta sua especialização nos temas e funções diplomáticos.
Como se sabe, é função da diplomacia representar o Brasil perante a comunidade internacional. Por um lado, nenhum diplomata foi eleito pelo povo para falar em nome do Brasil. É importante ter em mente, portanto, que a legitimidade de sua ação deriva da legitimidade do Presidente da República, cujas orientações ele deve seguir. Por outro lado, os governos se passam e o corpo diplomático permanece, constituindo elemento importante de continuidade da política externa brasileira. É tarefa essencial do diplomata buscar identificar o “interesse nacional”. Em negociações internacionais, a diplomacia frequentemente precisa arbitrar entre interesses de diferentes setores da sociedade, não raro divergentes, e ponderar entre objetivos econômicos, políticos e estratégicos, com vistas a identificar os interesses maiores do Estado brasileiro.
Se, no plano externo, o Ministério das Relações Exteriores é a face do Brasil perante a comunidade de Estados e Organizações Internacionais, no plano interno, ele se relaciona com a Presidência da República, os demais Ministérios e órgãos da administração federal, o Congresso, o Poder Judiciário, os Estados e Municípios da Federação e, naturalmente, com a sociedade civil, por meio de Organizações Não Governamentais (ONGs), da Academia e de associações patronais e trabalhistas, sempre tendo em vista a identificação do interesse nacional.
O TRABALHO DO DIPLOMATA
Tradicionalmente, as funções da diplomacia são representar (o Estado brasileiro perante a comunidade internacional), negociar (defender os interesses brasileiros junto a essa comunidade) e informar (a Secretaria de Estado, em Brasília, sobre os temas de interesse brasileiro no mundo). São também funções da diplomacia brasileira a defesa dos interesses dos cidadãos brasileiros no exterior, o que é feito por meio da rede consular, e a promoção de interesses do País no exterior, tais como interesses econômico-comerciais, culturais, científicos e tecnológicos, entre outros.
No exercício dessas diferentes funções, o trabalho do diplomata poderá ser, igualmente, muito variado. Para começar, cerca de metade dos mil1 diplomatas que integram o Serviço Exterior atua no Brasil, e a outra metade nos Postos no exterior (Embaixadas, Missões, Consulados e Vice-Consulados). Em Brasília, o diplomata desempenha funções nas áreas política, econômica e administrativa, podendo cuidar de temas tão diversos quanto comércio internacional, integração regional (Mercosul), política bilateral (relacionamento do Brasil com outros países e blocos), direitos humanos, meio ambiente ou administração física e financeira do Ministério. Poderá atuar, ainda, no Cerimonial (organização dos encontros entre autoridades brasileiras e estrangeiras, no Brasil e no exterior) ou no relacionamento do Ministério com a sociedade (imprensa, Congresso, Estados e municípios, Academia, etc.).
No exterior, também, o trabalho dependerá do Posto em questão. As Embaixadas são representações do Estado brasileiro junto aos outros Estados, situadas sempre nas capitais, e desempenham as funções tradicionais da diplomacia (representar, negociar, informar), além de promoverem o Brasil junto a esses Estados. Os Consulados, Vice-Consulados e setores consulares de Embaixadas podem situar-se na capital do país ou em outra cidade onde haja uma comunidade brasileira expressiva. O trabalho nesses Postos é orientado à defesa dos interesses dos cidadãos brasileiros no exterior. Nos Postos multilaterais (ONU, OMC, FAO, UNESCO, UNICEF, OEA etc.), que podem ter natureza política, econômica ou estratégica, o trabalho envolve, normalmente, a representação e a negociação dos interesses nacionais.
O INGRESSO NA CARREIRA
A carreira diplomática se inicia, necessariamente, com a aprovação no concurso do Instituto Rio Branco (Informações sobre o concurso podem ser obtidas no site http://www2.mre.gov.birbindex.htm). Para isso, só conta a competência – e, talvez, a sorte – do candidato. Indicações políticas não ajudam.
AS REMOÇÕES
Após os dois anos de formação no IRBr , o diplomata trabalhará em Brasília por pelo menos um ano. Depois, iniciam-se ciclos de mudança para o exterior e retornos a Brasília. Normalmente, o diplomata vai para o exterior, onde fica três anos em um Posto, mais três anos em outro Posto, e retorna a Brasília, onde fica alguns anos, até o início de novo ciclo. Mas há espaço para flexibilidades. O diplomata poderá sair para fazer um Posto apenas, ou fazer três Postos seguidos antes de retornar a Brasília. Isso dependerá da conveniência pessoal de cada um. Ao final da carreira, o diplomata terá passado vários anos no exterior e vários no Brasil, e essa proporção dependerá essencialmente das escolhas feitas pelo próprio diplomata. Para evitar que alguns diplomatas fiquem sempre nos “melhores Postos” – um critério, aliás, muito relativo – e outros em Postos menos privilegiados, os Postos no exterior estão divididos em [quatro] categorias, [A, B, C e D], obedecendo a critérios não apenas de qualidade de vida, mas também geográficos, e é seguido um sistema de rodízio: após fazer um Posto C, por exemplo, o diplomata terá direito a fazer um Posto A [ou B], e após fazer um Posto A, terá que fazer um Posto [B, C ou D].
AS PROMOÇÕES
Ao tomar posse no Serviço Exterior, o candidato aprovado no concurso torna-se Terceiro-Secretário. É o primeiro degrau de uma escalada de promoções que inclui, ainda, Segundo-Secretário, Primeiro-
-Secretário, Conselheiro, Ministro de Segunda Classe (costuma-se dizer apenas “Ministro”) e Ministro de Primeira Classe (costuma-se dizer apenas “Embaixador”), nessa ordem. Exceto pela primeira promoção, de Terceiro para Segundo-Secretário, que se dá por tempo (quinze Terceiros Secretários são promovidos a cada semestre), todas as demais dependem do mérito, bem como da articulação política do diplomata. Nem todo diplomata chega a Embaixador. Cada vez mais, a competição na carreira é intensa e muitos ficam no meio do caminho. Mas, não se preocupem e também não se iludam: a felicidade não está no fim, mas ao longo do caminho!
DIRECIONAMENTO DA CARREIRA
Um questionamento frequente diz respeito à possibilidade de direcionamento da carreira para áreas específicas. É possível, sim, direcionar uma carreira para um tema (digamos, comércio internacional, direitos humanos, meio ambiente etc.) ou mesmo para uma região do mundo (como a Ásia, as Américas ou a África, por exemplo), mas isso não é um direito garantido e poderá não ser sempre possível. É preciso ter em mente que a carreira diplomática envolve aspectos políticos, econômicos e administrativos, e que existem funções a serem desempenhadas em postos multilaterais e bilaterais em todo o mundo, e n~o só nos países mais “interessantes”. Diplomatas est~o envolvidos em todas essas variantes e, ao longo de uma carreira, ainda que seja possível uma certa especialização, é provável que o diplomata, em algum momento, atue em áreas distintas daquela em que gostaria de se concentrar.
ASPECTOS PRÁTICOS E PESSOAIS
É claro que a vida é muito mais que promoções e remoções, e é inevitável que o candidato queira saber mais sobre a carreira que o papel do diplomata. Todos precisamos cuidar do nosso dinheiro, da saúde, da família, dos nossos interesses pessoais. Eu tentarei trazem um pouco de luz sobre esses aspectos.
DINHEIRO
Comecemos pelo dinheiro, que é assunto que interessa a todos. Em termos absolutos, os diplomatas ganham mais quando estão no exterior do que quando estão em Brasília. O salário no exterior, no entanto, é ajustado em função do custo de vida local, que é frequentemente maior que no Brasil. Ou seja, ganha-se mais, mas gasta-se mais. Se o diplomata conseguirá ou não economizar dependerá i) do salário específico do Posto , ii) do custo de vida local, iii) do câmbio entre a moeda local e o dólar, iv) do fato de ele ter ou não um ou mais filhos na escola e, principalmente, v) de sua propensão ao consumo. Aqui, não há regra geral. No Brasil, os salários têm sofrido um constante desgaste, especialmente em comparação com outras carreiras do Governo Federal, frequentemente obrigando o diplomata a economizar no exterior para gastar em Brasília, se quiser manter seu padrão de vida. Os diplomatas, enfim, levam uma vida de classe média alta, e a certeza de que não se ficará rico de verdade é compensada pela estabilidade do emprego (que não é de se desprezar, nos dias de hoje) e pela expectativa de que seus filhos (quando for o caso) terão uma boa educação, mesmo para padrões internacionais.
SAÚDE
Os diplomatas têm um seguro de saúde internacional que, como não poderia deixar de ser, tem vantagens e desvantagens. O lado bom é que ele cobre consultas com o médico de sua escolha, mesmo que seja um centro de excelência internacional. O lado ruim é que, na maioria das vezes, é preciso fazer o desembolso (até um teto determinado) para depois ser reembolsado, geralmente em 80% do valor, o que obriga o diplomata a manter uma reserva financeira de segurança.
FAMÍLIA : O CÔNJUGE
Eu mencionei, entre as coisas n~o t~o boas da carreira, “dificuldades no equacionamento da vida familiar”. A primeira dificuldade é o que fará o seu cônjuge (quando for o caso) quando vocês se mudarem para Brasília e, principalmente, quando forem para o exterior. Num mundo em que as famílias dependem, cada vez mais, de dois salários, equacionar a carreira do cônjuge é um problema recorrente. Ao contrário de certos países desenvolvidos, o Itamaraty não adota a política de empregar ou pagar salários a cônjuges de diplomatas. Na prática, cada um se vira como pode. Em alguns países é possível trabalhar. Fazer um mestrado ou doutorado é uma opção. Ter filhos é outra...
Mais uma vez, não há regra geral, e cada caso é um caso. O equacionamento da carreira do cônjuge costuma afetar principalmente – mas não apenas – as mulheres, já que, por motivos culturais, é mais comum o a mulher desistir de sua carreira para seguir o marido que o contrário2.
CASAMENTO ENTRE DIPLOMATAS
Os casamentos entre diplomatas não são raros. É uma situação que tem a vantagem de que ambos têm uma carreira e o casal tem dois salários. A desvantagem é a dificuldade adicional em conseguir que ambos sejam removidos para o mesmo Posto no exterior. A questão não é que o Ministério vá separar esses casais, mas que se pode levar mais tempo para conseguir duas vagas num mesmo Posto. Antigamente, eram frequentes os casos em que as mulheres interrompiam temporariamente suas carreiras para acompanhar os maridos. Hoje em dia, essa situação é exceção, não a regra.
FILHOS
Não posso falar com conhecimento de causa sobre filhos, mas vejo o quanto meus colegas se desdobram para dar-lhes uma boa educação. Uma questão central é a escolha da escola dos filhos, no Brasil e no exterior. No Brasil, a escola será normalmente brasileira, com ensino de idiomas, mas poderá ser a americana ou a francesa, que mantém o mesmo currículo e os mesmos períodos escolares em quase todo o mundo. No exterior, as escolas americana e francesa são as opções mais frequentes,
podendo-se optar por outras escolas locais, dependendo do idioma. Outra questão, já mencionada, é o custo da escola. Atualmente, não existe auxílio-educação para filhos de diplomatas ou de outros Servidores do Serviço Exterior brasileiro, e o dinheiro da escola deve sair do próprio bolso do servidor.
CÉSAR AUGUSTO VERMIGLIO BONAMIGO - Diplomata. Engenheiro Eletrônico formado pela UNICAMP. Pós- graduado em Administração de Empresas pela FGV-SP. Programa de Formação e Aperfeiçoamento - I (PROFA -
I) do Instituto Rio Branco, 2000/2002. No Ministério das Relações Exteriores, atuou no DIC - Divisão de Informação Comercial (DIC), 2002; no DNI - Departamento de Negociações Internacionais, 2003, e na DUEX - Divisão de União Europeia e Negociações Extrarregionais. Atualmente, serve na Missão junto à ONU (DELBRASONU), em NYC.
2 Conforme comunicado do MRE de 2010, é permitida a autorização para que diplomatas brasileiros solicitem passaporte diplomático ou de serviço e visto de permanência a companheiros do mesmo sexo. Outra resolução, de 2006, já permitia a inclusão de companheiros do mesmo sexo em planos de assistência médica.
Para tornar-se diplomata, é necessário ser aprovado no Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD), que ocorre todos os anos, no primeiro semestre (normalmente). O número de vagas do CACD, em condições normais, depende da vacância de cargos. Acho que a quantidade normal deve girar entre 25 e 35, mais ou menos. Desde meados dos anos 2000, como consequência da aprovação de uma lei federal, o Ministério das Relações Exteriores (MRE/Itamaraty3) ampliou seus quadros da carreira de diplomata, e, de 2006 a 2010, foram oferecidas mais de cem vagas anuais. Com o fim dessa provisão de cargos, o número de vagas voltou ao normal em 2011, ano em que foram oferecidas apenas 26 vagas (duas delas reservadas a portadores de deficiência física4). Para os próximos concursos, há perspectivas de aprovação de um projeto de lei que possibilitará uma oferta anual prevista de 60 vagas para o CACD, além de ampliar, também, as vagas para Oficial de Chancelaria (PL 7579/2010). Oficial de Chancelaria, aproveitando que citei, é outro cargo (também de nível superior) do MRE, mas não integra o quadro diplomático. A remuneração do Oficial de Chancelaria, no Brasil, é inferior à de Terceiro-Secretário, mas os salários podem ser razoáveis quando no exterior. Já vi muitos casos de pessoas que passam no concurso de Oficial de Chancelaria e ficam trabalhando no MRE, até que consigam passar no CACD, quando (aí sim) tornam-se diplomatas.
Para fazer parte do corpo diplomático brasileiro, é necessário ser brasileiro nato, ter diploma válido de curso superior (caso a graduação tenha sido realizada em instituição estrangeira, cabe ao candidato providenciar a devida revalidação do diploma junto ao MEC) e ser aprovado no CACD (há, também, outros requisitos previstos no edital do concurso, como estar no gozo dos direitos políticos, estar em dia com as obrigações eleitorais, ter idade mínima de dezoito anos, apresentar aptidão física e mental para o exercício do cargo e, para os homens, estar em dia com as obrigações do Serviço Militar). Os aprovados entram para a carreira no cargo de Terceiro-Secretário (vide hierarquia na próxima seç~o, “Carreira e Salrios”). Os aprovados no CACD, entretanto, não iniciam a carreira trabalhando: há, inicialmente, o chamado Curso de Formação, que se passa no Instituto Rio Branco (IRBr). Por três semestres, os aprovados no CACD estudarão no IRBr, já recebendo o salário de Terceiro-Secretário (para remunerações, ver a próxima seç~o, “Hierarquia e Salrios).
O trabalho no Ministério começa apenas após um ou dois semestres do Curso de Formação no IRBr (isso pode variar de uma turma para outra), e a designação dos locais de trabalho (veja as subdivisões do MRE na página seguinte) é feita, via de regra, com base nas preferências individuais e na ordem de classificação dos alunos no Curso de Formação.
3 O nome “Itamaraty” vem do nome do antigo proprietrio da sede do Ministério no Rio de Janeiro, o Bar~o Itamaraty. Por metonímia, o nome pegou, e o Palácio do Itamaraty constitui, atualmente, uma dependência do MRE naquela cidade, abrigando um arquivo, uma mapoteca e a sede do Museu Histórico e Diplomático. Em Brasília, o Palácio Itamaraty, projetado por Oscar Niemeyer e inaugurado em 1970, é a atual sede do MRE. Frequentemente, “Itamaraty” é usado como sinônimo de Ministério das Relações Exteriores.
4 Todos os anos, há reserva de vagas para deficientes físicos. Se não houver número suficiente de portadores de deficiência que atendam às notas mínimas para aprovação na segunda e na terceira fases do concurso, que têm caráter eliminatório, a(s) vaga(s) restante(s) é(são) destinada(s) aos candidatos da concorrência geral.
O IRBr foi criado em 1945, em comemoração ao centenário de nascimento do Barão do Rio Branco, patrono da diplomacia brasileira. Como descrito na página do Instituto na internet, seus principais objetivos são:
harmonizar os conhecimentos adquiridos nos cursos universitários com a formação para a carreira diplomática (já que qualquer curso superior é válido para prestar o CACD);
desenvolver a compreensão dos elementos básicos da formulação e execução da política externa brasileira;
iniciar os alunos nas práticas e técnicas da carreira.
No Curso de Formação (cujo nome oficial é PROFA-I, Programa de Formação e Aperfeiçoamento - obs.: n~o sei o motivo do “I”, n~o existe “PROFA-II”), os diplomatas têm aulas obrigatórias de: Direito Internacional Público, Linguagem Diplomática, Teoria das Relações Internacionais, Economia, Política Externa Brasileira, História das Relações Internacionais, Leituras Brasileiras, Inglês, Francês e Espanhol. Há, ainda, diversas disciplinas optativas à escolha de cada um (como Chinês, Russo, Árabe, Tradução, Organizações Internacionais, OMC e Contenciosos, Políticas Públicas, Direito da Integração, Negociações Comerciais etc.). As aulas de disciplinas conceituais duram dois semestres. No terceiro semestre de Curso de Formação, só há aulas de disciplinas profissionalizantes. O trabalho no MRE começa, normalmente, no segundo ou no terceiro semestre do Curso de Formação (isso pode variar de uma turma para outra). É necessário rendimento mínimo de 60% no PROFA-I para aprovação (mas é praticamente impossível alguém conseguir tirar menos que isso). Após o término do PROFA-I, começa a vida de trabalho propriamente dito no MRE. Já ouvi um mito de pedida de dispensa do PROFA I para quem já é portador de título de mestre ou de doutor, mas, na prática, acho que isso não acontece mais.
Entre 2002 e 2010, foi possível fazer, paralelamente ao Curso de Formação, o mestrado em diplomacia (na prática, significava apenas uma matéria a mais). Em 2011, o mestrado em diplomacia no IRBr acabou.
Uma das atividades comuns dos estudantes do IRBr é a publicação da Juca, a revista anual dos alunos do Curso de Formação do Instituto. Segundo informações do site do IRBr, “[o] termo ‘Diplomacia e Humanidades’ define os temas de que trata a revista: diplomacia, ciências humanas, artes e cultura. A JUCA visa a mostrar a produção acadêmica, artística e intelectual dos alunos da academia diplomática brasileira, bem como a recuperar a memória da política externa e difundi-la nos meios diplomático e acadêmico”. Confira a página da Juca na internet, no endereço: http://juca.irbr.itamaraty.gov.bpt-bMain.xml.
Para saber mais sobre a vida de diplomata no Brasil e no exterior, sugiro a conhecida “FAQ do Godinho” (“FAQ do Candidato a Diplomata”, de Renato Domith Godinho), disponível para download no link: http://relunb.files.wordpress.com/2011/08/faq-do-godinho.docx. Esse arquivo foi escrito há alguns anos, então algumas coisas estão desatualizadas (com relação às modificações do concurso, especialmente). De todo modo, a parte sobre o trabalho do diplomata continua bem informativa e atual.
MEUS ESTUDOS PARA O CACD – http://relunb.wordpress.com
submitted by diplohora to brasilCACD [link] [comments]


2020.03.29 20:35 Campanerut Sobre MGTOW,gado, escravoceta,etc.

Olá amigos ,esse post é um desabafo.Então, vagando pelo youtube ultimamente tenho visto muitos canais como Newman,gadocast,Platinho, entre outras afirmarem coisas questíonaveis e nilísticas.Sua filosofia, o mgtow, diz que TODA mulher irá se aproveitar de leis que as favorecem para dar o golpe do baú, e quem não concorda é um gado e escravoceta(isso é porque eles tem inveja de quem tem relacionamentos que desmascaram o que eles pregam,kkkkk)Se fosse só isso, isso não me preucuparia, pois isso é só uma mascara, pesquisando mais afundo o que eles dizem é que as mulheres só fazem isso com machos betas, ou seja, elas usam machos betas para dar o golpe do baú enquanto usal machos alphas para sexo.O que mais me irrita nisso, é que eles agem como se todos os homens fossem fracassados que nem eles, como se todos fossem um fracasso com mulheres,principalmente quele imbecil do newman, olhem uma frase que ele disse"se você quiser trocar saliva com mulher que já trocou saliva com vários homens, problema seu", minha resposta:Ok, seu estúpido ímbecil, tanto homens e mulheres trocam saliva com deversos parceiros, é a natureza dos animais, não é minha culpa que você é um frustradinho com a vida.Não me refiro a todos, claro, mas a maioria é hipócrita, diz que não quer se relacionar com mulheres por causa de leis, mas ná verdade tem raiva porque foram rejeitados(por que será né).E eles não conseguem acreditar quando veem algum "beta" com uma mulher linda, eles irão dizer que ele será traído e que está sendo usado pelo dinheiro(embora a maioria dos caisais de mulher linda com homem feio sejam de estudantes).eles não conseguem aceitar que o problema está com eles, por isso usam o "beta" e "alpha" uma solução fácil para os problemas , que não precisa pensar muito.Minha pergunta é:Como chegamos a esse ponto?E o mais importante, como combater esse tipo de ideologia?Pois a diversas pessoas com muita depressão por causa dessa ideologia, tanto é que existe um fórum aqui no reddit para ajudar essas mesmas pessoas.E em fóruns mais radicais, como os incels, as pessoas falam para as outras SE MATAREM ou COMETER ASSASSINATOS EM MASSA, se não me engano, os perpetuadores do massacre de suzano tiveram contato com esse tipo de gente.Obrigado por me ouvirem.
submitted by Campanerut to desabafos [link] [comments]


2020.01.27 15:31 DefinitelyDefiantly Investimentos para isentar anuidade do cartão

Prezados,
Comecei a me interessar em cartões de crédito com bons programas de pontuação (pesquisei bastante em fóruns como o Falando De Viagem, Melhores Destinos e Hardmob) e como nunca vi esse tema sendo discutido aqui, decidi levantar até pq traz certa relação com investimentos.
Pra surpresa de ninguém, os melhores cartões (Visa Infinite, Mastercard Black, Elo Nanquim, etc) tendem a estar atrelados com segmento de alta renda do banco e uma anuidade pesada. Partindo da premissa de que, para mim, só vale a pena se eu não tiver que pagar anuidade, são essas as formas mais comuns de conseguir a isenção:
Atualmente divido gastos num Itaucard comum (1 ponto por USD) e no Nubank (sem o rewards), ou seja, nada de mais. Acredito que mesmo me esforçando pra concentrar gastos no crédito e abusando dos aplicativos como MercadoPago e Picpay, eu não conseguiria gastar mais que 5k por mês - ou seja, inviável conseguir a isenção por gastos.
Dito isso, tenho um volume considerável de investimentos custodiados em corretoras (em torno de 250k) que poderiam ser migrados, o que me levou a procurar algumas opções:








edit:
No momento, estou tendendo pro Itaú Uniclass Visa Infinite, até pq eu tenho um certo relacionamento com eles. Se a isenção do C6 Carbon se extender para ações futuramente, será ótimo pra mim também.
Sei que existem outros cartões com pontuação melhor no mercado, mas o meu objetivo é não me preocupar com anuidade, nem ter que ficar chorando pra atendente pra isentar por 1 ano, ou coisa do tipo.
Alguém já "alavancou" o volume de investimentos para conseguir acesso e isenções a bons cartões de crédito? Em qual banco?
Abraços!
submitted by DefinitelyDefiantly to investimentos [link] [comments]


2019.08.05 05:45 altovaliriano Haters a espera de "A Dança dos Dragões"

Link: https://bit.ly/2YJSOhS
Autora: Laura Miller
Título original: Just Write It!

[...] Não houve acréscimo à série “As crônicas de Gelo e Fogo” desde 2005, quando surgiu o quarto volume. E aquele livro, intitulado “O Festim dos Corvos”, era apenas metade de um romance: ele havia sido removido cirurgicamente de um manuscrito que, com mil e duzentas páginas, ainda não estava completo quase cinco anos após a publicação do terceiro volume. Como “O Festim dos Corvos” seguiu com as aventuras de vários novos personagens - e deixou o destino de vários personagens populares não resolvidos desde o final do livro anterior - alguns fãs ficaram desapontados. Martin incluiu um post-scriptum em “O Festim dos Corvos” explicando o que ele havia feito - e então, como ele me disse, “cometi o erro fatal de dizer: 'mas o outro livro está parcialmente escrito e eu devo poder terminá-lo dentro de um ano’.”
Passados seis anos, alguns dos fãs de Martin ficaram extremamente inquietos. A mesma cultura de blogs que permite que um escritor de fantasia como Neil Gaiman promova um senso de intimidade com seus leitores também pode expor um autor a crítica permanente quando eles ficam descontentes. Os fãs desesperados para descobrir o que aconteceu a personagens como Tyrion Lannister - um anão inteligente e cínico nascido em uma das famílias mais poderosas dos Sete Reinos - acharam cansativo ir verificar o site de Martin em busca de atualizações sobre o quinto livro da série “A Dança dos Dragões” e encontrar, ao invés disso, postagens sobre esportes ou política. Eles começaram a reclamar na seção de comentários do blog de Martin e em Westeros.org.
Como moderador-chefe da Westeros.org, García excluiu as postagens do fórum que considerava “não construtivas”, incluindo as especulações cada vez mais violentas sobre a causa do atraso e o destino final da saga. O blog de Martin foi monitorado de forma semelhante. O descontentamento logo se espalhou para outras plataformas - de fóruns de ficção científica e fantasia a fóruns de discussão na Amazon.com. Um usuário escreveu: “George R. R. Martin, você é um saco... tire a porra da máquina de escrever da sua bunda e comece a digitar”.
Outro brincou dizendo que Martin havia escrito um livro chamado “Como lucrar muito depois de escrever meia saga”. Essa invectiva floresceu mesmo depois de, no começo de março, Martin ter anunciado que “A Dança dos Dragões” será finalmente publicado em 12 de julho. Um leitor cético na Amazon.com disse: "Não espere segure o fôlego, a menos que você goste de desmaiar".
Toda uma comunidade de apóstatas - um fandom das trevas - agora se dedica a provocar Martin, seus associados e leitores que insistem que ele tem trabalhado duro na saga e que tem o direito de levar o tempo que precisar. Até mesmo [Neil] Gaiman foi arrastado para a contenda quando ele respondeu, em seu próprio blog, a uma pergunta sobre o atraso de Martin, com a seguinte repreensão: "George R. R. Martin não é a sua vadia."
Os ataques on-line a Martin sugerem que alguns leitores têm uma nova ideia sobre o que um autor lhes deve. Eles se veem como clientes, não como devotos, e esperam um serviço rápido e consistente. Martin, que tem sessenta e dois anos, me disse que [seu assistente, Ty] Franck chama os leitores descontentes de a Geração de Direitos: “Ele acha que todos são jovens; adolescentes ou na casa dos vinte. E que a geração deles só quer o que querem, e eles querem agora. Se você não der a eles, eles ficarão putos".
[...]
Um professor escolar norueguês chamado Remy Verhoeve é um desses leitores hiper-dedicados. Até um amigo ter lhe persuadido a ler “A Guerra dos Tronos”, ele nunca tivera um gosto especial por ficção de fantasia, com exceção de “O Senhor dos Anéis”. Em sua opinião, os três primeiros volumes de “As Crônicas de Gelo e Fogo” são "os melhores romances que eu já li". Depois de descobrir a série, ele leu esses três livros dez vezes cada um. “Às vezes, uma obra de arte aparece e muda tudo”, ele me disse. No entanto, Verhoeve, operando sob o nome de guerra Slynt, agora administra um fórum na web dedicado a denegrir Martin e seus partidários. O site chama-se "Is Winter Coming?" - um joguete malicioso com "Winter is Coming", o lema dos Starks, uma das famílias centrais da série.
Como toda guerra prolongada da Internet, o cisma no fandom de Martin é difícil de compreender se visto de fora. Cada lado nutre queixas contra o outro, e qualquer conversa entre os dois degenera em ataques ad hominem. (Na verdade, a briga pode nunca ter consistido em nada além de ataques ad hominem). Encastelados em seus respectivos fortes, cada lado amplia sua própria indignação. No entanto, se você conversar com participantes individuais, ele ou ela afirmará ser desapaixonado. "Pessoalmente, me sinto um pouco triste por eles", disse García sobre seus inimigos.
Na opinião de Verhoeve, os fãs descontentes - que às vezes chamam a si mesmos de GRRuMblers - formaram um movimento de renegados em 2009, depois que Martin fez um post no blog intitulado “Aos Meus Detratores” [“To My Detractors”]. Foi a tentativa de Martin de dar uma resposta definitiva à “onda crescente de veneno acerca do atraso de 'A Dança dos Dragões'.” Ele continuou: “alguns de vocês estão zangados por eu assistir futebol durante o outono”. Outros usuários, como ele observou, se opuseram a ele “estar visitando lugares como Espanha e Portugal (no ano passado) ou Finlândia (este ano)”. O post terminava: “Como alguns de vocês gostam de apontar em seus e-mails, eu tenho 60 anos e sou gordo, e vocês não querem que eu 'dê uma de Robert Jordan' pra cima de vocês e acabe por lhes negar o seu livro. Ok, eu entendi a mensagem. Vocês não me querem fazendo nada que não "As Crônicas de Gelo e Fogo"(E tudo bem se eu talvez precisar mijar de vez em quando?)”.
Verhoeve (que havia sido banido do Westeros.org) ficou irritado com a postagem de Martin, e alguns dias depois ele montou o “Is Winter Coming?”. O tom do fórum foi inspirado em “Finish the Book, George”, um blog iniciado em 2008 por dois irmãos que usavam os apelidos Pesci e Liotta - uma referência a dois atores do filme de gângsteres “Os Bons Companheiros”. Os donos dos pseudônimos pegaram a ideia de outro post no blog de Martin, em que o autor admoestava os visitantes a comentar sobre o assunto da postagem ou caírem fora. (“Se vocês quiserem comentar sobre outros assuntos, incluindo, mas não limitado a, o atraso de 'A Dança dos Dragões’, tudo bem, basta fazê-lo em seus próprios blogs”). Em resposta, Pesci e Liotta começaram a publicar posts irritantes, um após o outro, tornando-se uma espécie de heróis entre os detratores. Em um post se lê: “Como todos nós sabemos que GRRM não consegue escrever a menos que ele esteja em seu lugar especial, vestindo suas botas especiais, com a temperatura em exatamente 69 graus e o sol alinhado com Aquário, eu assumo que isto é outro sinal de que o grande cara não digitou nenhuma palavra de ADWD hoje.”
Os irmãos têm sido menos ativos ultimamente, mas “Is Winter Coming?” está zumbindo com criatividade hostil. Até agora, o fórum produziu um “guia de campo” listando os vários tipos de defensores de Martin e como eles podem ser refutados; um breve texto pseudo-legal intitulado "O povo vs. George R. R. Martin"; alguns gráficos detalhados que tentam demonstrar quão poucas horas Martin dedicou a escrever “A Dança dos Dragões” por ano, com base nas postagens em seu blog; e a “Enciclopedia GRRuMbliana”, de 300 páginas, que inclui uma história espirituosa do fórum. Membros também escreveram “O Festim dos Trolls” e “A Dança dos Detratores”, longas paródias narrativas, no estilo de “As Crônicas de Gelo e Fogo”, que apresentam caricaturas grosseiras de Martin e seus principais defensores, incluindo Gaiman. Uma pequena editora fez um acordo com Verhoeve para compilar algumas das postagens de seu blog em um livro, intitulado "Waiting for Dragons".
[...]
Martin sabe o que é ser provocado por uma série de entretenimento. Ele mesmo experimentou isso sendo um espectador fiel de "Lost", a série de aventura da ABC sobre um grupo de náufragos presos em uma ilha misteriosa. “Continuei assistindo e estava fascinado”, lembra ele. “Eles apresentavam um monte de coisas e achei que eu tinha noção de para onde estava indo. Então eles apresentaram mais coisas e eu tive que pensar melhor.”
Como muitos fãs de “Lost”, Martin se ressentiu do final místico da série, que deixou dezenas de tópicos narrativos em suspensão. “Assistíamos todas as semanas tentando descobrir, e à medida que a coisa se aprofundava, eu ficava dizendo: 'É melhor que tenham algo bom em mente para o fim. É bom que valha a pena isso aqui’. E então me senti tão enganado quando chegamos à conclusão.”
Martin se considera ligado a um contrato informal com seus leitores; sente que lhes deve seu melhor trabalho. No entanto, ele não acredita que isso lhes dá o direito de ditar os detalhes de seu processo criativo ou de reclamar sobre como ele gerencia o próprio tempo.
Embora alguns detratores, como Verhoeve, atribuam sua repugnância a Martin à sua suposta inabilidade com Relações Públicas e “falta de comunicação adequada”, a essência de sua queixa é transacional. Em uma postagem, Liotta se queixou de que ele e “literalmente centenas de milhares de outras pessoas gastaram incontáveis horas e dólares em fiel dedicação” ao trabalho de Martin. Não faz muita diferença para esses fãs que eles já sabiam que a série não estava terminada quando começaram a lê-la, ou que os livros nos quais gastaram todo esse tempo e dinheiro já estão com eles. Para os detratores, o contrato de Martin com eles era para uma história completa, e o compromisso deles com a saga era oferecido com a presunção de que Martin lhes entregaria uma conclusão satisfatória.
Ao contrário do que seus críticos mais extravagantes alegam, Martin insiste que tem trabalhado continuamente em “A Dança dos Dragões”. “Eles têm todas essas teorias insanas de que o livro está concluído há anos, mas que eu estou sentado sobre ele até que a série da HBO seja lançada, para ganhar mais dinheiro”, diz ele. "Ou que eu passei o livro para outro escritor, ou que perdi todo o interesse pela saga e agora só quero fazer outras coisas."
[...]
Martin explicou que ele está ajustando algumas partes de “A Dança dos Dragões” há dez anos. Ele tem um "verdadeiro relacionamento de amor e ódio" com um capítulo de Tyrion Lannister, o anão: "Eu arranquei e pus de volta, eu arranquei e pus de volta. Então eu o pus como uma sequência de sonhos, e então eu arranquei novamente. Essas são as coisas que eu tenho feito”.
Tal indecisão, Martin suspeita, pode estar sendo alimentada pelas expectativas crescentes sobre "As Crônicas de Gelo e Fogo". As resenhas para a saga foram "melhores em ordem de magnitude" do que as que ele recebeu para qualquer outra coisa. Depois que o quarto volume saiu, a Time o sacramentou como “o Tolkien americano”. Muitos leitores já disseram a Martin que sua história é a maior história de fantasia de todos os tempos. Com o show da HBO chegando e seus críticos online respirando em seu pescoço, a pressão se tornou ainda mais intensa.
"Eu não quero parecer um chorão ou alguém que está reclamando", disse Martin, enquanto a luz do sol da tarde entrava colorida pelos vitrais. "Não! Eu estou vivendo o sonho aqui. Eu tenho todos esses leitores que estão esperando pelo livro. Quero lhes dar algo fantástico. Ele fez uma pausa. “E se eu estragar tudo no final? E se eu fizer um ‘Lost’? Então eles virão atrás de mim com ancinhos e tochas”.
Martin espera que, depois de superar os problemas particularmente espinhosos de “A Dança dos Dragões”, os dois últimos livros saiam muito mais rápidos. Alguns detratores insistem que ele nunca completará a série, e eles gostam de matraquear sobre quem deve substituí-lo se ele der uma de Jordan. Martin, no entanto, indicou que ele não permitirá que outro escritor termine "As Crônicas de Gelo e Fogo". A história começou e terminará por suas mãos.
Em determinado ponto, fiz uma pergunta para Remy Verhoeve. Suponha que “As Crônicas de Gelo e Fogo” nunca tenham um final adequado. Ele ainda teria aqueles três livros, aqueles que ele considera os melhores que ele já leu. Isso não seria um consolo? Ele ficou quieto por um tempo antes de responder: “Sim. Eu acho que sim. Embora às vezes eu preferisse nunca ter lido esses livros”.
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.07.24 21:08 Gueixa Conselhos de uma ex-garota de programa sobre sexo e relacionamentos

Olá a todos meus queridos e queridas do Reddit! Eu sou a Gueixa e já fiz um desabafo aqui antes:
https://www.reddit.com/desabafos/comments/c24bdn/fui_garota_de_programa_e_não_me_arrependo/

Nesse meu segundo desabafo eu vim aqui comentar sobre um pouco do que tenho lido nessa maravilhosa comunidade.
AVISO!!! OLHA, vou avisar que é um TEXTÃO. Desculpe por escrever tanto, sei que muita gente não gosta, prometo q será a última vez que escreverei tanto assim. Mas eu quis abordar alguns tópicos q vi aqui sendo recorrentes e responder aqui dúvidas que recebi inbox e no chat.
Vejo muita gente com problemas de relacionamento, querendo aprender sobre sexo, perder a virgindade e outros temas, infelizmente não posso acompanhar todos. Sempre que posso leio e comento, mas a vida de mãe solteira não me permite sempre porque meu filho ta sempre aprontando e eu preciso ficar de olho, amo muito ele. S2
Mas deixando o meu lado mãe coruja de lado, eu vim aqui pra dar uma palavra amiga a vocês que estão com problemas de relacionamento e estão se encontrando no sexo.
Como ex garota de programa, o q eu aprendi dos homens que me procuravam: virgens, casados, solteiros, viúvos é que a conexão é o que faz as pessoas ficarem juntas. O q muitas vezes mantem a relação mais do q sexo são os laços construídos, as memórias, momentos.
Então pra quem está se relacionando ou quer se relacionar, tente sempre criar boas memórias, bons momentos juntos com a pessoa q vc gosta ou está interessada, fuja da rotina, inove no que puder. Seja sempre que possível transparente, converse, ouça, preste atenção, mostre que está junto com a pessoa.
Pode parecer bobo, mas faz toda a diferença. As vezes um beijo, um carinho valem mais que mil palavras. Mostre que vc gosta, mas não esqueça de vc também, NÃO VIVA PARA A PESSOA, MAS COM A PESSOA.
Meninos virgens: calma! Sexo não é tudo! Ser virgem não é o fim do mundo! Vc não precisa se preocupar em perder a virgindade cedo pq seus amigos perderam antes de vc. Relaxa. Não se apresse, pesquise sobre como dar prazer a uma menina, quando chegar ao momento, curta e não fique apressado em gozar ou meter. Escute a Tia Gueixa pq sabe das coisas, rs.
Se for perder a virgindade com uma garota que NÃO FAZ programa, seja sincero com ela, vá devagar, esqueça tudo q vc viu nos filmes pornos, aquilo lá não é realidade!
Vc não é o Kid Bengala e nem precisa ser. Um pau daquele tamanho machuca e assusta as mulheres normais. Quanto ao tamanho do pinto, não se sinta mal, saiba usar tudo q Deus te deu como a boca, dedos, tenha pegada q conta muito. E esteja cheiroso. Cheiros é muito importante pra nós, mulheres, ao menos pra mim é , rs.
Quando for transar, aproveite o corpo dela. Mostre q está gostando. Elogie o corpo dela, seja gentil e carinhoso. JAMAIS FORCE. Vai por mim, mulheres gostam de serem bem tratada, afinal quem não gosta?
Pense que é um parque de diversões e explore. Beije a boca com vontade, o pescoço, atrás da orelha, beije os mamilos dela, a barriga, a vagina, o bumbum, explore o corpo dela. Não pense só em meter.
Capriche nas preliminares!Se puder, aprenda a fazer massagem q é um diferencial! (eu por exemplo, adoro!)
Se for perder a virgindade com uma garota de programa pesquise preços, lugares acessíveis a vc, q tipo de serviço ela oferece, formas de contato, de pagamento e etc.
Uma boa ferramenta pra isso são os fóruns de garotas de programa. Existem alguns conhecido como o Gp Guia, Fórum X, Gp Arena, Fórum Cutuca, Fórum SD, Fórum Gp Luxúria.
Tem garota de programa q anuncia no Twitter, Facebook, procure lá pra se informar sobre elas. Procure sites de anuncio como Rio Encontro, Amantes e Cia, Photoacompanhantes, Viva Local.
Entre em contato, seja gentil e tire as dúvidas com ela. Não tenha medo de parecer inexperiente. Ninguém nasce sabendo!
Meninas: masturbem-se, conheçam seu corpo, não tenham vergonha, se deem prazer pq devemos nos amar em primeiro lugar.
E claro, quando transarem deem prazer aos meninos pq sexo é feito por 2 (ou mais) pessoas então TODO MUNDO TEM QUE GOZAR.
Reciprocidade é importante. Quando fizer oral dê aquela chupada olhando eles, capricha chupando toda a area do pau, lambendo a cabeça, o saco...Ele adoram! E se o cara curtir faz beijo grego, fio terra. Nada que der prazer COM consentimento é errado. Mas só se eles derem brecha, NÃO FORCE, se não derem continue com o que ele gosta. A reboladinha na sentada é certeira, dar uns sussurros, gemidos, até arrepia, ai ai...
O q aprendi nesse meio é que os homens gostam de serem ouvidos, gostam de atenção. Deem carinho a eles, escutem pq tem muito menino frustrado e desacreditado no amor e nos relacionamentos. Mas nunca se esqueçam q vc só deve fazer algo se vc se sentir bem.
Não curte anal, então não faz. Vc não existe só pra satisfazer outra pessoa. Ele terá que entender, afinal o cu é seu, rsrssrsrsrs
Não faz nada que vc NÃO curte, deixe isso claro. Agora se quiser experimentar algo novo, converse, pesquise e vai a luta!Sempre converse sobre fantasias, sempre deixe bem claro seus gostos.É melhor sempre ser transparente pra não haver mal entendido depois. Acima de tudo, divirta-se! Relaxa e goza!
Desculpem o textão, me desculpem quem não curte textos longos, se esqueci de algo depois falo.Agradeço a todos vcs pelo carinho, pela atenção, por me lerem, por serem tão gentis
.A partir de agosto vou ficar ausente aqui, então quis deixar algo pra vcs se lembrarem e se sentirem um pouco melhor. Beijos pra todos vcs!!!!
submitted by Gueixa to desabafos [link] [comments]


2019.03.15 14:56 VittoriaVitaPT Quero uma barriga de aluguel ou como posso encontrar uma mãe substitutiva?

Quero uma barriga de aluguel ou como posso encontrar uma mãe substitutiva?
https://preview.redd.it/4xftr4lfgam21.jpg?width=1000&format=pjpg&auto=webp&s=01889118b373a1445f4f3c3506e98927c559ab47
#vittoriavitaTratamentoInfertilidade
Alguns casais tentam encontrar uma mãe substitutiva independentemente, porque pensam que seja mais barato ou mais rápido. Basicamente, existem fóruns onde as mulheres postam seus anúncios que eles querem se tornar mães de substituição. Mas tal pesquisa é acompanhada de grandes riscos, porque entre elas há muitas pessoas desonestas. Além disso, o casal terá que resolver muitos casos relacionados ao programa, nomeadamente:
  • encontrar e estabelecer relacionamento com uma clínica que examine a mãe substitutiva, faça a transferência do embrião, observe a gravidez e ajude durante o parto;
  • se a cooperação com a mãe substitutiva é formalizada mediante um contrato, é necessário encontrar um advogado, que prepare este contrato;
  • provisão de alojamento e transporte para tal mãe substitutiva;
  • caso a mãe substitutiva é estrangeira o serviço de tradução e interpretação será necessário;
  • controlar o desempenho dos seus deveres pela mãe substitutiva, acompanhe-a durante visitas ao doutor e exames por ultra-sons.

Se você entrar em contato com nossa agência, não precisará pesquisar uma mãe substitutiva e resolver todos os problemas organizacionais por conta própria. Você só precisará voar para assinar um contrato e para o nascimento do seu filho / filhos.
Faça uma pergunta ao nosso consultor ou solicite o programa no site: vittoriavita.pt/como-ocorre-uma-gravidez-substituta

#vittoriavita_pt #infertalidade #maternidadesubstituição
submitted by VittoriaVitaPT to u/VittoriaVitaPT [link] [comments]


2019.01.30 14:44 Martinelli_ Novo recomeço

Hoje venho na página Brasil em descrever meu início do reboot que infelizmente descobri muito tarde isso comigo, no momento que entrei em um relacionamento depois de anos, isso esta afetando e me sinto culpado por ter me deixado levar pela indústria compulsória do porno. Isso me acompanha desde minha adolescência aos 16 anos acesso fácil a internet descobertas e tudo mais naquela época, hoje tenho 30 anos, dos meus 15 anos pra cá nunca namorei, sempre fui uma pessoa que gostava de curtir e MUITO vida sexual ativa, junto com a masturbação até aí não me atrapalhava, mas hoje com minha namorada esta muito complicado Ainda mas nesse último ano. Isso me consome por dentro e chega ao ponto de me sentir reprimido depois de vê algum vídeo de determinado site, como a vejo só aos finais de semana, como já é uma rotina acabo não satisfazendo por demorar a ejacular ou ate mesmo não ejacular, me sinto culpado, depois de muito tempo sem uma relação acontecendo isso acredito expondo essa situação muitos aqui devem passar por isso também, infelizmente no Brasil a poucos fóruns, debates até mesmo por especialistas onde já procurei psicólogos, médicos e por aí vai. Estou iniciando o meu reboot, comecei ontem e de cara tive o primeiro problema, a insônia mas estou seguindo firme e forte sei que irá ser MUITO difícil, mas tenho determinação e queria repassar isso e de tempos e tempos atualizando vcs e até mesmo trocando experiências para levantarmos esse movimento que tão pouco discutido em nosso país.
submitted by Martinelli_ to nofapbrasil [link] [comments]


2018.07.21 07:54 OnigumoPerfeito Sem muitas esperanças para os próximos anos...

Começo licenciatura EaD esse mês e levando em conta minhas conclusões, curso EaD não é terreno fértil para a construção de amizades, ou quem sabe iniciar um relacionamento amoroso com alguém... Ainda mais levando em conta o curso de irei fazer,(matemática) cujo boa parte dos estudantes são outras pessoas com poucas habilidades sociais igual eu.
Já tenho 20 anos, sou BV, virgem, AV(abraço virgem), entre outros. Não que eu ligue muito para tais rótulos, mas eu os exponho aqui para passar uma imagem de como é a minha situação atual. Só tenho 2 amigos, 1 que vem na minha casa lá de vez em nunca, e outro que mora em outro estado(amigo online).
Me sinto tão entediado; passo meus dia aprendendo programação, ouvindo openings de anime, daydreaming, lendo threads em fóruns, comendo, exercitando-me, jogando video games, etc... Já cansei dessas coisas no entanto e o momento que eu espero mais ao acordar é o momento em que cairei novamente na cama.
Enfim, concluindo, é foda ter quase certeza absoluta que terei que esperar pelo menos mais 4 anos para ter as menores das chances de sair dessa vida. Só isso que eu queria dizer mesmo, sintam-se livres para opinar ou compartilhar o que quiserem. Boa noite.
submitted by OnigumoPerfeito to brasil [link] [comments]


2013.09.13 19:51 allex2501 Entrevista com Gavin Andessen

Mais confiança significa mais investimento', diz chefe do Bitcoin
Para Gavin Andessen, pessoas que estão usando Bitcoin agora são pioneiras pois correm riscos e exploram uma nova forma de fazer as coisas
Gavin Andresen é a imagem mais próxima que o Bitcoin, o primeiro sistema monetário nascido na internet, tem de um líder. O norte-americano é hoje o chefe do desenvolvimento open source do Bitcoin e é o cientista-chefe da Bitcoin Foundation, instituição que estabelece padrões para o uso do dinheiro digital. Formado em Ciências da Computação por Princeton, Andresen já trabalhou no Vale do Silício e hoje advoga a favor da descentralização financeira e da privacidade. Criado em 2008 pelo hacker conhecido como Satoshi Nakamoto, a moeda ganhou fama no primeiro semestre deste ano, quando sua cotação chegou a US$ 266, atraindo a atenção da mídia e de fundos de investimento e empresários — entre eles Google e os irmãos Winklevoss, co-criadores do Facebook. Hoje, movimenta US$ 1 bilhão por ano (em 2010, era US$ 1 milhão) entre transações legais e ilegais. Em conversa por telefone, Andresen falou sobre os atuais desafios do Bitcoin.
Muitas matérias publicadas na imprensa e comentários de usuários acusam você de ser Satoshi Nakamoto, o criador anônimo do Bitcoin. É você?
Não sou Satoshi. Já fui questionado sobre isso vezes demais para continuar contando. Eu suponho que minha reação a esses rumores é de agradecimento por pensarem que sou inteligente o bastante por ter criado uma ideia revolucionária como a do Bitcoin.
As suspeitas vêm do fato de que você é um dos poucos a dizer que teve contato direto com Satoshi Nakamoto. Como foram essas interações e como esse relacionamento começou?
Pude me comunicar regularmente com Satoshi Nakamoto via e-mail e através dos fóruns especializados BitcoinTalk, de maio de 2010 até o começo de 2011, quando Satoshi me disse que passaria a se envolver com coisas diferentes. Eu não tenho ideia da sua identidade ou no que ele — ou ela, ou eles — está trabalhando agora.
Qual é o seu papel no desenvolvimento do Bitcoin? O que atraiu na direção das criptomoedas?
Fiquei envolvido com o projeto do Bitcoin em maio de 2010, um ano depois que ele havia começado. Ele tinha apelo comigo porque eu me interesso por sistemas descentralizados (“peer-to-peer”), criptografia e economia. Com o tempo, fui ficando mais e mais envolvido, voluntariando o meu tempo para melhorar o software que permite o funcionamento do Bitcoin, até que eu assumi o posto de desenvolvedor-chefe do projeto em 2011.
Quais são suas funções na Bitcoin Foundation? Ano passado, eu e algumas outras pessoas que estão comprometidas com o projeto criamos a organização sem fins lucrativos Bitcoin Foundation, que tem a missão de criar padrões, promover e proteger o Bitcoin. Meu papel ainda é de “desenvolvedor-chefe” — eu passo a maior parte do meu tempo pensando sobre, falando sobre e trabalhando no software de código aberto que cria a possibilidade de um sistema de pagamento. Como a maioria dos projetos open source, a maior parte do trabalho é feita por voluntários, motivados pela ideia que o projeto vingue. Com o crescimento do Bitcoin como moeda, espero passar do meu papel atual para algo como “cientista-chefe”, onde vou trabalhar menos tempo com a engenharia do software e mais em problemas abstratos como melhores práticas para a segurança e transparência do Bitcoin.
Como explicar para uma pessoa comum as vantagens em relação ao sistema bancário tradicional?
Para os vendedores, Bitcoin é um meio de baixo custo que possibilita que se aceite pagamento de qualquer pessoa, de qualquer lugar do mundo. Para os consumidores, Bitcoin é uma forma de baixo custo de pagar por coisas — muitos comércios de Bitcoin acabam repassando aos consumidores a sua economia, na forma de mercadorias mais baratas. Outra vantagem para os consumidores é a garantia da proteção da privacidade. Mas é preciso ser realista, para a maioria dos vendedores e consumidores dos países desenvolvidos e com sistemas bancários estáveis, o sistema tradicional provavelmente é uma melhor solução por ora. O Bitcoin ainda está na fase “early adopter” — o preço flutua bastante, e eu ainda não posso pedir que as pessoas invistam tempo ou dinheiro no Bitcoin se elas não podem pagar por uma perda. Temos que ver as pessoas que estão usando Bitcoin agora como pioneiras, pois correm riscos e exploram toda uma nova forma de fazer as coisas.
Qual o melhor caminho para a consolidação do Bitcoin como uma moeda segura? Você vê possibilidade de ele ficar restrito a nichos? Eu acho que continuará a crescer enquanto a rede de pagamentos se mantiver confiável e processando as transações de forma segura. Quanto mais o Bitcoin durar, mais as pessoas estarão dispostas a confiar nele. E isso criará um ciclo em que mais confiança significa mais investimento, mais comércios aceitando o Bitcoin, mais consumidores dispostos a gastá-lo. É sim possível que o Bitcoin nunca seja aceito na loja de conveniência da esquina, mas ainda assim a moeda será usada para transferências que transcendam fronteiras e pagamentos online em áreas que os bancos tradicionais não funcionam bem.
É possível comprar armas, drogas e contrabando com Bitcoins. Existe espaço para a regulação governamental do Bitcoin e de outras criptomoedas? Ou elas são incontroláveis?
Tentar regular diretamente que transações são ou não permitidas no sistema de pagamentos do Bitcoin seria impossível, porque se trata de uma rede peer-to-peer com dezenas de milhares de computadores conectados no mundo todo. No entanto, um país como a Coreia do Norte, que censura o livre acesso à internet aos seus cidadãos, certamente pode conseguir bloquear também o Bitcoin. E supondo que o Bitcoin continue a crescer como está crescendo, ele eventualmente vai ser grande o bastante para preocupar todos os países com controle do capital, porque se eles tiverem tráfego de internet correndo por entre as suas fronteiras, as transações em Bitcoin também poderão fluir.
Texto de Rafael Cabral GALILEU
submitted by allex2501 to BrasilBitcoin [link] [comments]